This is default featured slide 1 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 2 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 3 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

link 2

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Festival 'The backlands will turn Art' will BaianaSystem in Bahia

This is the 3rd edition of the event, held in the city of Araci, 3 and 4.
free concert will be on Sunday (5), in the main city square; check it.




  Fonte http://g1.globo.com/bahia/noticia/2016/05/festival-o-sertao-vai-virar-arte-tera-baianasystem-no-interior-da-bahia.html

Festival 'The backlands will turn Art' will BaianaSystem in Bahiab

This is the 3rd edition of the event, held in the city of Araci, 3 and 4.
free concert will be on Sunday (5), in the main city square; check it.

The Baiana System band will free concert at the 3rd Festival "The Hinterland will turn art", which takes place in the city of Araci, 211 kilometers from Salvador, in the Sisal Territory. The event will be next weekend, 4th and 5th of June, and the band's performance will be on Sunday (5) in the main square of the city. The show will open with Accordion Orchestra, the band I came from Bike and Alisson Menezes, from 18h.

The program on Saturday (4) will be at the Cultural Center of the city, from 19h, with the presentations of the band local Fife, the Icaraso theater group, and Daniel Gomez and guests with a pocket show.
Also on Saturday there will be the launch of the book "Ancestry and music in Quixabeira" writer Sandro Santana on the musical movement Quixabeira.
The idea of the Festival is to bring to the public a number of productions, local, regional and capital. The event, which had the first editions in April and May, and had shows of Scambo band, orchestra Santo Antonio and Juliana Ribeiro, Sertanilia, Val Macambira, the Mono band and Sergio Magno.



                                                           Fonte> http://g1.globo.com/bahia/noticia/2016/05/festival-o-sertao-vai-virar-arte-tera-baianasystem-no-interior-da-bahia.html

Festival 'O Sertão vai virar Arte' terá BaianaSystem no interior da Bahia....

Esta é a 3ª edição do evento, que acontece na cidade de Araci, dias 3 e 4.
Show gratuito será no domingo (5), na praça principal do município; confira


A banda Baiana System fará show gratuito na 3ª edição do Festival "O Sertão vai virar arte", que acontece na cidade de Araci, a 211 quilômetros de Salvador, no Território do Sisal. O evento será no próximo final de semana, dias 4 e 5 de junho, e a apresentação da banda será no domingo (5), na praça principal da cidade. O show será aberto com a Orquestra de Sanfona, a banda Vim de Bike e Alisson Menezes, a partir das 18h.

A programação no sábado (4) será no Centro Cultural da cidade, a partir das 19h, com as apresentações da Banda de Pífanos local, do grupo teatral Icaraso, e de Daniel Gomez e convidados com um pocket show.
Também no sábado haverá o lançamento do livro “Ancestralidade e música na Quixabeira”, do escritor Sandro Santana, sobre o movimento musical da Quixabeira.
A ideia do Festival é levar à população uma série de produções, locais, regionais e da capital. O evento, que teve as primeiras edições em abril e maio, e contou com shows da banda Scambo, da Orquestra Santo Antônio e de Juliana Ribeiro, Sertanilia, Val Macambira, da banda Monocromático e de Sergio Magno.

                                             Fonte> http://g1.globo.com/bahia/noticia/2016/05/festival-o-sertao-vai-virar-arte-tera-baianasystem-no-interior-da-bahia.html

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Invisible Music Lisbon has millions of clicks on YouTube

They make music on the margins of the industry, but not underground. They have thousands - or millions -
of views on YouTube, go to concerts by several countries, but not a biography on the Internet. Route through the suburbs of Lisbon in search of (other) big hits of the moment.

They are young, living on the outskirts of Lisbon, are practically alone music. Many started on the computer at home. The official commercial circuit does not know them. There are tops in sales of large record stores. They function as a sort of parallel music market, but few can live than create. His hits have thousands of views - some into the millions. They work in the neighborhood where they live, only the size of the popularity goes beyond that territory: some do concerts in France, Luxembourg, Switzerland, Spain, Cape Verde, Angola ...
This has been what noted researcher in Urban Studies Antonio Brito Guterres in his TEDx Talk last year, the Invisible City of Lisbon - TED is an organization dedicated to the motto "ideas worth shared", and TEDx is a program locally organized independently with the same spirit.
This intervention can be seen on YouTube, Brito Guterres reviews the changes in the city-center and the formation of the peripheries, marked by internal migration and the immigrations. Tells the story of a teacher from one of the suburbs who wanted to get to know their students through music, but could not find what they heard anywhere (just because they heard was in the circuits that she did not know).
Showing the top 10 of Fnac store, the investigator chose six of the singles of the artists represented there, as David Fonseca or Watermark (on YouTube for several years) to complete that have little more than 100 thousand views. Compared with the data of some rappers singles made in the suburbs, recorded in bedroom closets, sung in Creole and with harsh lyrics about reality, and reached vastly superior numbers: none below 500 thousand, three to beat or overcome million. "I do not know the whole town is normal, now do not know anything on this scale ...", he commented. "An artist who has a million views is an artist here in London, in New York ..." - and everywhere.

NUNO FERREIRA SANTOS
After all, who are these artists who are on the margins of the "current city" have thousands of fans, but not a biography about them is available on the Internet? The singing that makes them so popular? How to manage this popularity unknown to formal industry? Guided by various territories where the music of the "invisible city" is heard loud and clear.
The neighborhood to Cape Verde
The block where the parents live Loreta miram to the castle and the buildings of Sintra - hence the name given to this location, Mira-Sintra. Loreta, who sings mainly in Creole, has videoclips as kills a genius, which appears in guns blazing, next to a blonde woman carrying a shotgun, or others like sta mariado Life, from an Orlando Pantera music, in a more relaxed setting and leisure.
With accounts in Spotify and iTunes, two platforms that make available to the user a vast menu of music, has a legion of followers - on Facebook are more than 17 thousand fans in about 12,000 Instagram, the page of their collective KBA has 26,000 likes and there are videos with over half a million views on YouTube - one of the videos, Nha identity, has had a million.
The founder of KBA, 28 years, two children, moved recently from parents' apartment in the district Foundation D. Pedro IV, but is there to receive us, with the mother to open the door. The population is mostly made up of people rehoused in early 2000, mixing races and ethnic groups - white, Roma, black, african descent.
Loreta started trying to make music at age 11, in the slum where he lived. Experimenting with tape, trying to repeat parts of music he heard. The father plays the accordion and funaná. "I grew up listening to music. I remember being small and my brothers put music of Cape Verde. "
From the 13, with a friend sang at community festivals. They began to make love and to be invited to other parties. They recorded for the first time with the mobile producer and studio musician Primero G, a mini disc - had about 15 or 16 years.
Later he organized with other friends to "join the ends": one bought the microphone, another bought a tower, another bought a screen and set the home studio, which was turning for home each other. The primeiramixtape you created, "for there in 2007 or 2008," nor was it that put it on the Internet. They were about 11 songs and Loreta recalls have been surprised by the invitations to play in other neighborhoods. "We started to believe: the people are like that, too like, we will continue."
Things changed when he met the "Katana" Katana Productions, who had a studio in Odivelas where they recorded their first album in 2013: Since Always Forever. Then came buling, and then Loreta began the solo albums with DMT, Last Hope, and now, Saints and Sinners.
Loreta was community mobilizer, collaborated with the NGO Eye Vivo and the Choices program, the High Commissioner for Migration, worked in the works, but right now is unemployed. The music is not enough to pay the bills. "I have a rented house, only music is impossible to live."
In a traditional store can not buy Loreta music. Previously, went to a factory, was about 500 CD and every show sold 20. "I do not feel that has a work worthy of being on sale in mainstream circuit because it takes money, studio time, more is the quality of the final product have quality enough to spend a radio. "
It was only in 2014 that acted for the first time in Cape Verde. When he arrived at Praia, I had people at the airport waiting to take pictures every step; the street was recognized, the kids approached him in droves. They opened the concert Anselmo Ralph, and were acting in a couple more sites on the island of Santiago. "Always bursting. Tarrafal in the show were two hours to leave the stage. "
Loreta has more than 200 songs that never put on the Internet works "all the time". You think it's popular to have succeeded in giving a version of "XXI century Cable Verdeanness", "easy to understand for anyone who is from Cape Verde and who was born in Europe."
Cape Verdeans son who was born in Portugal but has Portuguese nationality, feels that belongs to a generation of "african-tugas" a "bit without land." Music that is says it is a daily or a reminder, "the journalist's work," things you observe and think you are wrong. "I do not follow a line. I intervene, but I will talk about a great day I had. "It's about rehousing, injustice, police brutality. "The violence and police brutality are the things that most indignant me. This means putting everything in my bag. All white days steal, steal all the black days. You do not see the white backpack kid to be against the wall and searched, but you see this happen to young Africans or of African descent. "From this comes the cops showed me a gun.
But, he says, only "30% to 40%" of the songs speak of the toughest issues. "When we are musicians 100% intervention, we did not become popular, and this makes not everyone can hear our voice. If you can become popular so that when you open your mouth a million people listen to me, then I can intervene. "
Will sing in the Algarve, Porto, Lisbon, has a diverse audience, but thinks "great strength" are young like him, "Cape Verdean descent." Most likes on your Facebook page is Lisbon; Second comes Luanda, after Paris, Beach City ... I was singing several times to Luxembourg and France, Spain, Switzerland, Cape Verde, "house always above average."
There is a side to him that you are not sure of wanting to be part of the industry. "The CD to sell to a larger audience has to flee a bit to what I have done. I had to do more songs in Portuguese, to give to spend a club, and other content, not so raw. "He did not care to have his records in stores like Fnac," of course! ". What you get with views on YouTube "is minimal", "Less than half a cent per view ..."
What was needed to live music? Having someone who agendasse him two concerts per month, at least. "Event organizers still have the back foot by the rap be a street music, banditry, and have not realized that it is a new market to explore and has many followers."
The secret of its popularity is "pretty basic", "Music is when good has its own legs. When you hear a good song, it shows his friend, who shows his friend, and that spreads out. "
Music to enjoy
Mira-Sintra to Vale da Amoreira in Moita, are almost 2:30 a.m. path in public transport, trains. We crossed the bridge over the Tagus car on a sunny morning. The center of Lisbon does not take more than 30 minutes. We went from a town with a population of just over five thousand people to one with about ten thousand, according to official data. Here live mainly Portuguese. There are also Roma and Cape Verdean origin, Angola, Guinea.
Deejay Telio, 19, and their collective We Are Family (SAF) are even a family - the interview will be done in group, one of the courtyards of the buildings in the neighborhood, with Deedz, Dino and Ericsson. The motto of the SAF is: "We put loyalty above all."
Google Tradutor para empresas:Google Toolkit de tradução para appsTradutor de sitesGlobal Market Finder


                                     Fonte>https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/ha-hits-que-passam-ao-lado-dos-tops-oficiais-1732144

KBA - NHA IDENTIDADI (Video Oficial)

Deejay Télio - Que Safoda (Letra) [2015]

Deejay Telio & Deedz B - Não Atendo [Video Clip Oficial]

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Band "Baiana System" presents a new ax

movement leader 'reinvents' rhythm, group releases new album in São Paulo

For some time the ax does not say "play the hand to the top and take the foot off the floor." With the loss of the rhythm space, which established the Carnival of Salvador from 1980 to genres such as backcountry and funk, the Bahian popular music had to reinvent.
Then came bands such as the Bahian System, first a prominent name in the underground after a commercial phenomenon in the state, which already strides out of it. In the coming days 27 and 28, the group released his second album, "Two Cities" in Sao Paulo.
The album will be presented in the taproom the SESC Pompeia, with the participation of Siba Pernambuco (which last year was awarded the album "De Loose Ball", at Multishow). No show of Bahian News on Concha Acoustics they invited Ney Matogrosso.
"There have been looking to the musical production of the Southeast, Recife, Para ... In Bahia, a lot has been going on for some time, but everything was very diluted. Now, is gaining attention, "says Roberto Barreto, who conceived the project, who plays guitar in the band Bahia.
The instrument, created by the legendary duo Dodo and Osmar in the 1940s and responsible for creating the electric trio, guides the group's work and earn dub bases and groove, dialoguing with electronics, Jamaican and Caribbean music.
"We started with the idea of ​​doing a job directly related to the Bahian guitar, inserting it into another universe, not necessarily the Carnival", he explains. In practice, however, the world of revelry was decisive.
The band parades at the party since its inception in 2009, but for a few years attracted small groups, mostly made up of revelers like "weirdos", angry with abadá culture.
On Wednesday (18), crowd scenes behind the "Pirate Ship" -like was baptized the electric trio group- impress the public engagement in a kind of ecstasy with the powerful sound of the band.
The trio says Barreto, is for Baiana System a great sound system improvised sound -system in street parties, popularized in Jamaica in the 1950s.
new industry
Besides the guitarist and the constant collaboration of DJs, in the group vocalist and composer Russian Passapusso the SekoBass bassist and illustrator and designer Filipe Cartaxo, responsible for the visual identity and the mask distributed at concerts, design aesthetic symbol.
Already popularized in the mainstream of Salvador, while remaining independent, the Bahia heads a movement trying to reframe the Bahian music industry, which can no longer be sustained in the ax. Names like Orkestra Rumpilezz, Manuela Rodrigues and Marcia Castro follow the flow.
It also reflects a new moment of Carnival of the capital, where ropes and abadás beloved give more space to independent trios. "Gradually, Carnival had to change. There began to be the questioning of the public space in the party and the loss of freedom in the name of the market. "
The second disc, Roberto believes that the band is more mature. "The first [released in 2010] was an outline of ideas, produced almost homely way," he recalls. "In the 'Two Cities', there is the opposite of what usually happens: we were already on the road playing music and synthesize it to disk, from the result that we live."

                                                      Fonte>http://www.folhape.com.br/cultura/2016/5/banda-baiana-system-apresenta-um-novo-axe-0243.html

BAIANASYSTEM - DUAS CIDADES

Banda "Baiana System" apresenta um novo axé

Líder de movimento que ‘reinventa’ o ritmo, grupo divulga novo disco em São Paulo


Há algum tempo o axé não diz mais “joga a mãozinha para o alto e tira o pé do chão”. Com a perda de espaço do ritmo, que consagrou o Carnaval de Salvador a partir dos anos 1980, para gêneros como o sertanejo e o funk, a música popular baiana precisou se reinventar.
Foi então que surgiram bandas como a Baiana System, primeiro um nome proeminente no underground, depois um fenômeno comercial no Estado, que já dá passos largos fora dele. Nos próximos dias 27 e 28, o grupo lança seu segundo disco, “Duas Cidades”, em São Paulo.
O álbum será apresentado na choperia do Sesc Pompeia, com participação do pernambucano Siba (que no ano passado foi premiado pelo disco “De Baile Solto”, pelo Multishow). No show dos Novos Baianos na Concha Acústica eles convidaram Ney Matogrosso.
“Já houve o olhar à produção musical do Sudeste, do Recife, do Pará... Na Bahia, muita coisa vem acontecendo há algum tempo, mas tudo era muito diluído. Agora, está ganhando atenção”, diz Roberto Barreto, idealizador do projeto, que toca guitarra baiana na banda.
O instrumento, criado pela lendária dupla Dodô e Osmar nos anos 1940 e responsável pela criação do trio elétrico, norteia o trabalho do grupo e ganha bases de dub e groove, dialogando com música eletrônica, jamaicana e caribenha.
“Começamos com a ideia de fazer um trabalho diretamente ligado à guitarra baiana, inserindo-a dentro de outro universo, que não necessariamente o do Carnaval”, explica. Na prática, porém, o universo da folia foi determinante.
A banda desfila na festa desde sua criação, em 2009, mas por alguns anos atraiu grupos pequenos, formados principalmente por foliões do tipo “esquisitões”, irritados com a cultura do abadá.
Nesta quarta (18), cenas de multidões atrás do “Navio Pirata” -como foi batizado o trio elétrico do grupo- impressionam pelo engajamento do público, em uma espécie de êxtase com o som potente da banda.
O trio, diz Barreto, é para a Baiana System um grande sound system -sistema de som improvisado em festas de rua, popularizado na Jamaica nos anos 1950.
Nova indústria
Além do guitarrista e da colaboração constante de DJs, integram o grupo o vocalista e compositor Russo Passapusso, o baixista SekoBass e o ilustrador e designer Filipe Cartaxo, responsável pela identidade visual e pela máscara distribuída nos shows, símbolo da estética do projeto.
Já popularizada no mainstream de Salvador, embora permaneça independente, a Baiana encabeça um movimento que tenta ressignificar a indústria musical baiana, que já não consegue mais se sustentar no axé. Nomes como Orkestra Rumpilezz, Manuela Rodrigues e Marcia Castro acompanham o fluxo.
Também reflete um novo momento do Carnaval da capital, em que cordas e abadás caríssimos dão cada vez mais espaço a trios independentes. “Aos poucos, o Carnaval precisou mudar. Começou a haver o questionamento sobre o espaço público na festa e a perda de liberdade em nome do mercado.”
Quanto ao segundo disco, Roberto avalia que a banda está mais madura. “O primeiro [lançado em 2010] foi um esboço de ideias, produzido de forma quase caseira”, lembra. “No ‘Duas Cidades’, há o inverso do que normalmente acontece: nós já estávamos na estrada tocando as músicas e sintetizamos isso para o disco, a partir do resultado que tivemos ao vivo”.
                                               Fonte> http://www.folhape.com.br/cultura/2016/5/banda-baiana-system-apresenta-um-novo-axe-0243.html

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Baiana System e Carlinhos Brown protestam contra fim do Ministério da Cultura: É um tiro no pé.

Outros artistas endossaram a declaração do músico durante maratona de shows de reabertura da Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador (BA)
O segundo dia do festival que celebra a reabertura da Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), deu espaço a artistas locais e nacionais, na noite de sábado (14). O público lotou as arquibancadas e esperou, ansioso, pela entrada da primeira atração. Pontualmente, às 19h, o cantor baiano Carlinhos Brown subiu ao palco e trouxe canções que se alternavam do romântico ao axé. Brown interagiu com o público diversas vezes, jogando pipoca sobre as pessoas, distribuindo flores às mulheres em frente ao palco e chegou a descer ao encontro do público, já no fim da apresentação.

O cantor baiano Lazzo Matumbi também se apresentou, como convidado de Brown. Ele criticou o redesenho ministerial feito pelo presidente interino da República, Michel Temer, e a extinção do Ministério da Cultura. Na plateia, também houve manifestações sobre o tema com cartazes com os dizeres "Cultura sim. Golpe não". O público também se manifestou contra o presidente interino gritando frases como "Fora Temer". Brown aproveitou a oportunidade para dar sua opinião sobre a extinção do ministério. “Aqui é um país de democracia, minha opinião sobre [a extinção do] Ministério da Cultura é que é um tiro no pé. Nós estamos unânimes quanto a isso. Meu Brasil está intacto em meu coração, na forma de ser e na forma de respeitar as pessoas. Espero que todos cheguem a um caminho bonito, mas a democracia está pedindo um Ministério da Cultura”, disse o cantor.

Durante a canção Ashansú, Carlinhos Brown fez uma saudação ao orixá Obaluaê, que faz parte do candomblé, religião à qual Brown é adepto. “Estou muito feliz, só quero agradecer, fiz um repertório não apenas carnavalesco e amei essa oportunidade de trazer essas outras canções. A pele com pele é importante, sobretudo porque hoje tivemos um momento ímpar, a presença de Obaluaê [orixá]. Ele estava tão presente porque ele tirou a minha touca, ele me quis com o cabelo pra fora. Esse é um país onde a miscigenação floresce e traz surpresas. Que o Brasil se compreenda como miscigenado e único. Hoje foi um dia em que essa cultura se manifestou”, disse Brown após o show.

Público lotou as arquibancadas em festival que celebra a reabertura da Concha Acústica em Salvador. Foto: Sayonara Moreno/Correspondente da Agência Brasil
Público lotou as arquibancadas em festival que celebra a reabertura da Concha Acústica em Salvador. Foto: Sayonara Moreno/Correspondente da Agência Brasil
A segunda atração da noite foi a banda Baiana System, que convidou ao palco o cantor Ney Matogrosso. O vocalista da banda, Russo Passapusso, também fez várias referências ao atual cenário político brasileiro, posicionando-se contra o presidente interino. No meio do show, Russo pediu ao público que levantassem os cartazes que criticavam o governo interino. Ele também fez referência à extinção do Ministério da Cultura dizendo “devolvam minha cultura”. A participação de Ney Matogrosso levou a multidão a aplausos demorados e uma recepção calorosa. O cantor ícone da Música Popular Brasileira iniciou sua participação cantando Sangue Latino, seguiu com O Vira e cantou O Tempo Não Para, do cantor Cazuza, morto em 1990. As canções, segundo o próprio Matogrosso, foram escolhidas pela banda Baiana System, com quem ensaiou a apresentação.
“O Vira, eu não canto há muitos anos. Como a banda pediu, eu toquei com o maior prazer, mas foi muito engraçado pra mim”, comentou o cantor.

Dirigentes políticos e classe artística criticam fusão entre ministérios da Cultura e Educação


“Essa Concha Acústica foi onde eu pisei, pela primeira vez, como artista, em Salvador. Sempre tive esse desejo enorme de voltar. Estar aqui na reinauguração foi um prazer porque é um espaço icônico aqui na Bahia. Esse lugar sempre provoca essa emoção, por isso essa ansiedade de voltar, porque o público fica muito perto de você. O público da Bahia sempre foi muito receptivo comigo”, completou Ney Matogrosso, adiantando que retorna aos palcos de Salvador no dia 12 de novembro deste ano. O administrador de empresas Marivaldo dos Santos disse que aguardava com ansiedade a volta do funcionamento do local. O baiano, que atualmente mora no Rio de Janeiro, disse que veio à cidade apenar para prestigiar o festival.

“Para mim, aqui é o melhor espaço para shows em Salvador, sem dúvida. Aqui já vi Bethânia, Daniela Mercury, Ivete Sangalo, já vi Ney Matogrosso e muitos outros artistas. Gosto muito de todos que subiram ao palco. E, para domingo, eu já garanti meu ingresso assim que abriram as vendas. Aqui é intimista, a gente escolhe ficar em pé ou sentado. E com a reforma ficou melhor ainda, mais moderna”, disse Marivaldo. Neste domingo (15) será a vez do grupo Novos Baianos se reunir no palco da Concha Acústica. Os ingressos para o show da banda esgotaram em uma hora e meia de vendas. Devido à enorme procura, uma nova apresentação foi marcada para segunda-feira (16).

                                                             
Fonte> http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/divirtase/46,51,46,61/2016/05/15/internas_viver,644754/baiana-system-e-carlinhos-brown-protestam-contra-fim-do-ministerio-da.shtml

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Esgotados ingressos para shows de Brown e BaianaSystem

Apresentações serão no sábado (14), segundo dia de festival em Salvador.
Entradas para Novos Baianos também já tinham se esgotado, aponta Tca

Esgotaram-se neste domingo (1º) os ingressos para os shows de sábado (14) do Festival "Eu Sou a Conha", quando sobem ao palco o músico Carlinhos, que convida o cantor Lazzo Matumbi, além da banda BaianaSystem, que recebe Ney Matogrosso.
As entradas para a programação de domingo (15), com apresentação dos Novos Baianos, já estavam esgotadas desde o sábado (30), quando começaram as vendas. Já a apresentação de Maria Bethânia, que abre a programação do festival na sexta-feira (13), é apenas para convidados.
Os ingressos para os shows dos dias 14 e 15 de maio custaram R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia). Na manhã de sábado, uma grande fila marcou o início das vendas na bilheteria do Teatro Castro Alves (TCA), centro de Salvador.
Programação
O festival será realizado entre 13 e 15 de maio, na Concha Acústica do TCA, e marca a reinauguração do espaço, que está fechado para reforma desde 2013.
No dia 13, o show de Maria Bethânia terá a participação de Margareth Menezes.
No dia 14, Carlinhos Brown convida Lazzo Matumbi e, em seguida, o grupo BaianaSystem propõe um diálogo musical com o cantor Ney Matogrosso como convidado.
Por fim, no dia 15 de maio (domingo), os Novos Baianos voltam a se reunir para um show baseado no repertório do emblemático disco "Acabou Chorare".
Nos três dias do festival, as apresentações musicais serão divididas por intervenções cênicas que devem envolver a área da Concha Acústica como um todo, misturando performances de dança, efeitos cênicos, música e audiovisual.
ERVIÇO
13/05/2016 (SEXTA-FEIRA): Evento só para convidados

Maria Bethânia com participação especial de Margareth Menezes
Espetáculo cênico-musical Kindembu – Afoxé Filhos de Gandhy convida Tropical Selvagem, Cortejo Afro convida Márcia Castro, Ilê Aiyê convida Dão, Male Debalê convida Larissa Luz, Muzenza convida Ellen Oléria, além da participação especial do Olodum
Horário: 18h
Local: Concha Acústica do Teatro Castro Alves
PARA CONVIDADOS
14/05/2016 (SÁBADO)
Carlinhos Brown com participação especial de Lazzo Matumbi
BaianaSystem com participação especial de Ney Matogrosso
Horário: 18h
Local: Concha Acústica do Teatro Castro Alves
Ingressos: R$ 60 inteira - R$ 30 meia
INGRESSOS ESGOTADOS



  Fonte: http://g1.globo.com/bahia/musica/noticia/2016/05/esgotados-ingressos-para-shows-de-brown-e-baianasystem-na-concha.html

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Atração do último show da Concha, BaianaSystem inicia novo ciclo do espaço

Reconhecida como uma das atrações que apontam novas tendências da música brasileira, a BaianaSystem faz parte de um ciclo na história da Concha Acústica. O grupo participou da última apresentação no espaço antes do fechamento para as obras – o especial “Domingão na Concha” com Lenine, Letieres Leite e outras atrações, em dezembro de 2013 – e agora integra a programação do festival “Eu Sou A Concha”, que marca a reinauguração. “Pra gente foi uma honra ter sido convidado porque a gente participou do encerramento que teve vários shows, então ficou aquele gostinho assim de tocar de novo. Também tem toda a importância no histórico pra o que é a Concha, que a gente viu nesse período que ficou fechada, a falta que faz pra cidade como um lugar de médio porte, boa estrutura aura”, afirma Roberto Barreto, guitarrista da banda.
BaianaSystem se apresenta no sábado (14), segundo dia de shows, com a participação de Ney Matogrosso, em uma apresentação inédita, de cerca de 70 minutos, coordenada pelo diretor artístico Elísio Lopes Jr. “Foi uma proposta que de alguma forma partiu da direção do espetáculo, entre os nomes que eles pensavam e teve toda uma consulta pra saber o que é que ele achava, então  da nossa parte, a gente ficou super entusiasmado: ‘Lógico, tem tudo a ver, vai ser ele!’. Pelo que Elísio falou, ele teve a mesma reação, ficou empolgado. Artisticamente, ao longo da carreira dele, ele participa muito de shows com pessoas que estão produzindo na atualidade, então foi uma proposta com aceitação de ambos os lados”, conta o guitarrista.


No show, que ainda está sendo montado, a banda deve apresentar algumas canções do novo álbum “Duas Cidades”, lançado no dia 29 de março, aniversário de Salvador. Além de fazerem parte de duas apresentações marcantes para a história do anfiteatro, os espetáculos também representam fases distintas na carreira do grupo. Em 2013, chegando ao auge do primeiro álbum, lançado em 2010. Quase dois anos e meio depois, a banda volta ao mesmo local já com o trabalho consolidado no cenário de música alternativa. “Tem esse entendimento maior da gente como grupo, como artista, nessa relação com a cidade. Nesse período, a gente teve bastante coisas acontecendo, teve os shows que a gente fez no Pelourinho, teve o último carnaval com momentos bem marcantes, lançamento de disco... Foi bem esse tempo de consolidar isso, formatar isso pra um disco, ter essa relação com o público mais concretizada”, analisa. No festival, a banda pretende apresentar um pouco do novo show, que mostra os experimentos que eles vêm fazendo com uma sonoridade mais madura. O segundo dia de apresentações contará ainda com show de Carlinhos Brown com participação de Lazzo. Na sexta (13), abertura exclusiva só para convidados, terá Maria Bethânia com Margareth Menezes e o espetáculo Kindembu com Ilê Aiyê, Filhos de Gandhy, Cortejo Afro, Male Debalê, Muzenza, Olodum e convidados. O festival chega ao fim no domingo (15) com o reencontro inédito dos Novos Baianos.


                                     Fonte> http://www.bahianoticias.com.br/noticia/190185-atracao-do-ultimo-show-da-concha-baianasystem-inicia-novo-ciclo-do-espaco.html

Atração do último show da Concha, BaianaSystem inicia novo ciclo do espaço

Reconhecida como uma das atrações que apontam novas tendências da música brasileira, a BaianaSystem faz parte de um ciclo na história da Concha Acústica. O grupo participou da última apresentação no espaço antes do fechamento para as obras – o especial “Domingão na Concha” com Lenine, Letieres Leite e outras atrações, em dezembro de 2013 – e agora integra a programação do festival “Eu Sou A Concha”, que marca a reinauguração. “Pra gente foi uma honra ter sido convidado porque a gente participou do encerramento que teve vários shows, então ficou aquele gostinho assim de tocar de novo. Também tem toda a importância no histórico pra o que é a Concha, que a gente viu nesse período que ficou fechada, a falta que faz pra cidade como um lugar de médio porte, boa estrutura aura”, afirma Roberto Barreto, guitarrista da banda.
BaianaSystem se apresenta no sábado (14), segundo dia de shows, com a participação de Ney Matogrosso, em uma apresentação inédita, de cerca de 70 minutos, coordenada pelo diretor artístico Elísio Lopes Jr. “Foi uma proposta que de alguma forma partiu da direção do espetáculo, entre os nomes que eles pensavam e teve toda uma consulta pra saber o que é que ele achava, então  da nossa parte, a gente ficou super entusiasmado: ‘Lógico, tem tudo a ver, vai ser ele!’. Pelo que Elísio falou, ele teve a mesma reação, ficou empolgado. Artisticamente, ao longo da carreira dele, ele participa muito de shows com pessoas que estão produzindo na atualidade, então foi uma proposta com aceitação de ambos os lados”, conta o guitarrista.


No show, que ainda está sendo montado, a banda deve apresentar algumas canções do novo álbum “Duas Cidades”, lançado no dia 29 de março, aniversário de Salvador. Além de fazerem parte de duas apresentações marcantes para a história do anfiteatro, os espetáculos também representam fases distintas na carreira do grupo. Em 2013, chegando ao auge do primeiro álbum, lançado em 2010. Quase dois anos e meio depois, a banda volta ao mesmo local já com o trabalho consolidado no cenário de música alternativa. “Tem esse entendimento maior da gente como grupo, como artista, nessa relação com a cidade. Nesse período, a gente teve bastante coisas acontecendo, teve os shows que a gente fez no Pelourinho, teve o último carnaval com momentos bem marcantes, lançamento de disco... Foi bem esse tempo de consolidar isso, formatar isso pra um disco, ter essa relação com o público mais concretizada”, analisa. No festival, a banda pretende apresentar um pouco do novo show, que mostra os experimentos que eles vêm fazendo com uma sonoridade mais madura. O segundo dia de apresentações contará ainda com show de Carlinhos Brown com participação de Lazzo. Na sexta (13), abertura exclusiva só para convidados, terá Maria Bethânia com Margareth Menezes e o espetáculo Kindembu com Ilê Aiyê, Filhos de Gandhy, Cortejo Afro, Male Debalê, Muzenza, Olodum e convidados. O festival chega ao fim no domingo (15) com o reencontro inédito dos Novos Baianos.


                                     Fonte> http://www.bahianoticias.com.br/noticia/190185-atracao-do-ultimo-show-da-concha-baianasystem-inicia-novo-ciclo-do-espaco.html